Colunas

FUTEBOL

FC Cascavel dá exemplo de esportividade

Publicado em: 20/07/2020

Partida teve nuances de espetáculo e de fidalguia. O FC Cascavel deu exemplo de esportividade ao enfrentar um adversário sem jogadores reservas

Olha gente, o futebol profissional está de volta ao Paraná sob a sombra do novo coronavírus que colocou o mundo aos seus pés, no ano de 2020, um ano marcado pela pandemia. Com todos os cuidados ditos necessários, como exames prévios e higienização das instalações e precauções individuais, a bola voltou a rolar nos gramados. A vida segue, a torcida desperta para os chamados espetáculos futebolísticos. 

E foi o que vimos na volta do FC Cascavel, que enfrentou pelas semifinais, jogo de ida, o Rio Branco, de Paranaguá. A disputa aconteceu em Ponta Grossa, pois as autoridades sanitárias não liberaram o litoral para jogos do campeonato. Foi um espetáculo, posso repetir. Nosso time, um dos mais bem preparados tanto dentro quanto fora das quatro linhas, e vem demonstrando isso desde o início da competição, não teve dificuldade em bater os adversários por 3x0. 

Logo no início, no primeiro minuto, Tocantins penetrou pela esquerda, após a falha do zagueiro, e deu um toque sutil, de craque, que não foi alcançado pelo arqueiro Juninho, que fez uma boa partida. Erramos muito na saída de bola, e nossos zagueiros demonstraram um desentrosamento que causou alguma emoção no primeiro tempo, em raras oportunidades do Rio Branco. Inteligentemente, o técnico Marcelo Caranhato determinou que rolássemos a bola, visando a cansar o time contrário, que jogava sem reservas. Isso mesmo, sem reservas, apenas com um goleiro no banco. Tudo em função do término de contratos e da falta de recursos para a manutenção da equipe. Mas foram aguerridos os jogadores do Rio Branco. 

Até o centroavante Ratinho, de 40 anos, que foi registrado na federação para ser homenageado pelo tempo que jogou e se tornou um grande ídolo da torcida, teve que jogar, e se posicionou muito bem. Mostrou que entende de futebol. Hoje ele é vereador em Paranaguá. E assim toda a equipe se entregou, o quanto pode. O experiente técnico Amauri Knevitz armou um bom esquema de defesa, que foi uma das atrações do jogo. Não tivemos quebra-quebra, jogo duro. 

O FC Cascavel foi fidalgo, não houve entrada ou disputa violenta, o que desfalcaria o Rio Branco até mesmo para a partida de volta. Como era esperado, tivemos mais gols no segundo tempo. Aos 27 minutos, Magno foi derrubado dentro da área. Ele mesmo bateu, com categoria, no cantinho direito, e saiu para o toquinho de mão com os colegas, pois abraços estão proibidos. 
Perto do final, numa penetração veloz de nosso ataque pela esquerda, sempre ele, Lucas Tocantins, aproveitou o passe e deu mais um toque sutil, de letra e de canhota, tirando o bom goleiro Juninho  da jogada. Ficou de bom tamanho, o 3x0. E o craque Tocantins parece brincar ou dançar com a bola. No jogo de volta, na quarta-feira, 18h, no Estádio Olímpico Regional, garantiremos a presença na semifinal do Paranaense, nesse ano marcado pelo novo coronavírus. 

E depois, venha o adversário que vier, Athetico ou Londrina, teremos uma grande disputa. Temos um bom técnico, que achou o time lento nesse recomeço, temo uma boa equipe, bem preparada fisicamente. Uma questão antiga foi resolvida: a presença de bons atacantes. Tocantins, Henrique e Magno têm excelente entrosamento. O meia Adenilson faz bons lançamentos. Nosso goleiro Raul demonstra segurança. Oberdan, Quaresma e Libano verdadeiramente se entregam, são comprometidos. Nossos zagueiros centrais, bem, esses com certeza ouvirão muito de Caranhato até quarta-feira. Precisam melhorar a saída de bola. A diretoria também dá show fora das quatro linhas. Assim vi o jogo, amigos.
 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Importante: Comentários com conteúdo sensível, impróprio ou que for considerado inadequado – por qualquer motivo, a critério do moderador – serão sumariamente deletados.

1 COMENTÁRIO(S)

A história do jogo é do time sempre contada com memória fotográfica de Márcio Couto. Neste ano, vamos a final!
comentado por Sebastião Dias em 21/07/2020
Agradeço o comentário, caro Sebastião Dias, jornalista, catedrático da crônica esportiva e escritor. É um privilégio ter você como leitor da Revista Aldeia.
comentado por Revista Aldeia em 22/07/2020
×

Assine Aldeia

Por apenas R$ 9,90* / mês.

Deixe seu telefone, nós ligamos para você.
Venha fazer parte da nossa tribo!