Colunas

Equívocos à mesa

Publicado em: 17/09/2020

Quando recebi o convite da Revista Aldeia para escrever sobre etiqueta, aceitei lisonjeada em poder compartilhar com as pessoas alguns conhecimentos deste universo. Todos os meses escrevo com este propósito: ajudar as pessoas a se sentirem mais seguras na arte de receber em casa. Neste mês, vamos falar um pouco sobre os “equívocos à mesa”. Vamos lá! Toda mesa só existe em função de dois elementos: pessoas e alimentos. Embora pareça óbvio, na prática vemos muitas distorções. 

Em relação às pessoas:
• Dois guardanapos: a dona da casa acha bonito, mas será que as pessoas sabem usar? Na verdade, nem há como saber, uma vez que não faz parte da etiqueta. O uso do guardanapo de tecido já pode causar algum embaraço, quem dirá dois. (Dois guardanapos é para showroom de lojas).
• Arranjos florais altos: muitas vezes a dona de casa (ou da festa) acha bonito, mas não percebe que está prejudicando aquilo pelo qual a mesa existe: a interação entre as pessoas.

Em relação aos alimentos:
Enfeites mal posicionados: enfeites colocados no local mais nobre da mesa e alimentos relegados à lateral, por exemplo, depõe contra as pessoas, gerando um desconforto para alcançar as travessas.

Os erros em relação as pessoas e os alimentos serão sempre os mais graves. Quaisquer outros erros serão sempre secundários. Pessoas e momentos importam mais do que regras de etiqueta. Se você pensa diferente, você não entendeu o que é etiqueta.

Muito mais do que lidar com garfos e facas de prata do século XX, art-noveau, e ter um acervo de cristais franceses baccarat lapidado ao estilo Louis XVI, etiqueta é criar confiança nas pessoas, é dar subsídio para elas lidarem com quaisquer situações.

As palavras “etiqueta” e “receber bem” nunca foram tão usadas para qualificar pessoas como nos dias de hoje. Esquecem-se que algumas boas coisas da vida não estão à venda. Elegância é uma delas. Ser elegante é mais do que ser educado. É entender que não se deve ser arrogante nunca, em nenhuma situação.

A maior demonstração de boas maneiras é como você trata quem não as tem. Coisas simples, mas ricas, como dar bom dia, pedir licença, por favor e o obrigada fazem toda a diferença. Não glamorizem grosserias!

Isso não é um traço de “personalidade forte”. Grosseria gratuita é simplesmente insegurança e falta de educação. Seja autêntico, cópias sempre são versões incompletas e com defeitos. E não esqueçam: “há pessoas elegantes e há pessoas enfeitadas”.
 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Importante: Comentários com conteúdo sensível, impróprio ou que for considerado inadequado – por qualquer motivo, a critério do moderador – serão sumariamente deletados.

Deixe seu comentário.
×

Assine Aldeia

Por apenas R$ 9,90* / mês.

Deixe seu telefone, nós ligamos para você.
Venha fazer parte da nossa tribo!